Meu Mundo de Morango: Alisamento x Relaxamento x Escova Definitiva x Escova Progressiva

sábado, 28 de abril de 2012

Alisamento x Relaxamento x Escova Definitiva x Escova Progressiva

A grande confusão começou quando surgiram as ditas "Progressivas". Eram tantas escovas com nomes diferentes que tornava impossível distinguir o que era o que nesse carnaval de novidades. Somou-se essas informações a procedimentos já existentes como definitivas, alisamentos e relaxamentos, e deu-se então um nó na cabeça da mulherada que não se desfez até hoje.

Isso mesmo, digo ATÉ HOJE porque essa postagem vai esclarecer o que os profissionais fazem nas suas cabeças e vocês não entendem! E guardem bem essa frase:

Se deixa o cabelo liso, tem alguma química!!


Alisamento:

Consiste na transformação dos fios definitivamente, ou seja, isso quer dizer que uma vez feito, será impossível os fios retornarem ao seu formato original, a não ser cortando a parte modificada a medida que o cabelo for crescendo. Nesse tipo de procedimento, a raiz vai crescendo com o formato natural e a quando isso ocorre, fica bem evidente a diferença entre ela e a parte já alisada, tornando necessário o retoque apenas nessa parte crescida, geralmente de 3 em 3 meses, dependendo das características de cada cabelo. 

Envolve produtos com forte concentração de diferentes princípios ativos, como a Amônia (tioglicolato de amônia) usada em cabelos caucasianos, ou o Hidróxido de Sódio e a Guanidina, ambos usados em cabelos étnicos. Sua aplicação consiste em passar o produto no cabelo, deixar o tempo de ação necessária, neutralizar (a guanidina dispensa esse passo), lavar e depois deixar secar naturalmente. 

Esses princípios ativos são de famílias químicas diferentes, portanto não compatíveis entre si e nem com outras químicas (com raras exceções, como por exemplo tintas usadas com baixa volumagem e progressivas que tenham como princípio ativo o formol), pois podem ocasionar a quebra dos fios (corte químico). É um procedimento forte, indicado para cabelos grossos e rebeldes, difíceis de domar. O resultado costuma ser um liso um pouco artificial.


Relaxamento:

É feito com os mesmos produtos usados nos alisamentos, só que em menor concentração. A aplicação segue a mesma regra do alisamento, mas o tempo de ação também é menor. Embora possa ser feito com os mesmos princípios ativos que o alisamento, a maior parte dos relaxamentos são feitos com produtos a base de amônia, como o Tioglicolato de Amônia, e outras variações da mesma família química e como o Tiolactato de Amônia e a Monoetanolamina, que são variações mais modernas. 

Não alisa o cabelo totalmente, sua função é dar maleabilidade aos fios, reduzindo o volume e espassando as ondas, por isso é indicado para cabelos não muito enrolados. É um procedimento mais suave, que tem uma finalização mais natural, mas assim como o alisamento, penetra definitivamente nos fios, modificando a estrutura interna deles para sempre, não sendo possível retornar ao estado natural a não ser cortando. O retoque também deverá ser feito apenas na parte crescida natural e as mesmas incompatibilidades que citei sobre os alisamentos valem para o relaxamento.


Escova Definitiva:

Nada mais é do que um alisamento térmico, digamos assim. Os produtos usados são os alisantes e relaxantes a base de amônia (a concentração vai variar de acordo com o tipo de cabelo a ser transformado), só que além da ação dos produtos em si, o calor do secador e da chapinha promovem o reforço da nova estrutura dos fios, deixando-os ainda mais lisos e menos volumosos. 

Costuma ser um processo bem demorado, demora em torno de 6 a 10 horas, dependendo do tamanho e da quantidade de cabelo. Existem variações, mas normalmente o ritual consiste em deixar o produto agir no cabelo, enxaguar bem, escovar e pranchar, depois aplicar o neutralizante nele seco, deixá-lo agir, enxaguar e depois escovar e pranchar novamente, sendo necessário ficar 3 dias sem prender, molhar, ou marcar os fios para que o resultado seja um liso impecável. 

Se for feito com a técnica correta e por um bom profissional, o resultado pode chegar bem próximo de um liso natural, caso contrário, as pontas podem perder seu movimento e ficarem espigadas e duras, tornando o resultado artificial. O principal segredo para evitar isso é puxar o produto para as pontas apenas 1/3 do tempo de ação total no cabelo, pois as pontas são sempre mais fragilizadas e porosas, ocorrendo a absorção e ação do produto de forma bem mais rápida e intensa nessa região.

Assim como o alisamento e relaxamento, promove uma mudança definitiva na estrutura dos fios, não sendo possível recuperar o formato original do cabelo modificado, apenas cortando-o. O retoque é sempre feito apenas na parte crescida natural, quando a diferença entre a parte crescida e o restante do cabelo se torna bem evidente, normalmente de 3 em 3 meses, dependendo do cabelo natural da pessoa. As incompatibilidades são as mesmas válidas para alisamentos e relaxamentos (tintas usadas com oxigenada de baixa volumagem e progressivas que tenham como princípio ativo o formol).


Escova Progressiva:

Esse é o assunto mais extenso de todos, e o que dará mais pano para manga. Todas nós mulheres acompanhamos a grande febre das escovas progressivas e a grande polêmica do formol. Fala-se mal, fala-se bem, mais afinal, o que eu preciso saber sobre elas?

As progressivas (as verdadeiras - mais abaixo vocês entenderão), tem fórmula basicamente composta por queratina, substâncias emolientes de tratamento, substâncias termo-protetoras e formol. Não deixam os fios totalmente lisos, apenas diminuem o volume, reduzem o friz, dão brilho e espassam levemente as ondas, e é esse o resultado que poderá ser conferido com o cabelo seco ao natural, mas como são térmicas, apenas com o vento quente do secador, já fazem o cabelo secar bem mais liso. O que vocês costumam ver nas propagandas de progressivas é o resultado no cabelo ainda com a escova, ou então seco com o calor do secador. Secando naturalmente não fica liso assim, a não ser que seu cabelo natural já seja liso!

Seu efeito é temporário e vai saindo com as lavagens, porque não há nenhuma modificação na estrutura interna dos fios, o que ocorre é uma sedimentação de queratina por fora deles, que é fixada pelo formol, deixando os fios mais pesados e por conta disso, reduzindo o volume e as ondas. A reaplicação do produto é sempre no cabelo inteiro, por não haver diferença entre o crescimento da raiz e o restante dos fios, uma vez que ela sai do cabelo igualmente. É o único procedimento compatível com praticamente todas as outras químicas como tintura, descoloração, mechas, alisamento, definitiva e relaxamento.

Para voltar aos cabelos naturais, é só deixar de fazer progressiva e com o tempo os fios vão voltando a ser como eram. Em contrapartida, como o próprio nome sugere, o resultado é progressivo, e a medida que forem sendo feitas mais aplicações, o resultado será "melhor" - e coloquei entre aspas para destacar que isso não significa que deverá ser feita consecutivamente inúmeras vezes, pois como contém queratina, se feita excessivamente, deixa os fios duros e quebradiços. O ideal é que sejam feitas com intervalos mínimos de 2 meses entre as aplicações, mas cada caso é um caso, o cabelo deve ser avaliado por um profissional.

Outra coisa que muito se especula é a respeito de marcas e nomes, qual seria melhor, e blá blá blá. Existem milhares de escovas progressivas, com inúmeros nomes diferentes - sim, são essas as de todos os sabores, frutas, ervas, temperos, nacionalidades, blindagens, plásticas e tudo mais que você possa imaginar - mas basicamente a fórmula é a mesma (das que tem como princípio ativo o formol), com diferença principal na concentração de formol. Não recomendo fórmulas com muito formol, apenas com a quantidade recomendada pela Anvisa, então verifiquem se o produto é registrado, porque uma quantidade grande de formol pode prejudicar sua saúde a longo prazo. Mesmo assim, muitos cabeleireiros "batizam" produtos, acrescentando formol e outros produtos nas escovas compradas para ter um resultado mais liso, então CUIDADO!!!

Aprendam a identificar: muitos mentem para os clientes dizendo que o produto não tem formol, mas é fácil identificá-lo. As escovas progressivas com princípio ativo de formol tem um "ardorzinho característico". Atenção, se a quantidade de formol é a correta, causam no máximo UM LEVE desconforto nos olhos ou na garganta na hora da aplicação. Se esse desconforto for grande, ou o profissional tiver que colocar parafernalhas demais para aplicar (máscaras enormes, óculos, toalhas molhadas, ventilador potente em cima da cliente) é porque a quantidade de formol está acima do recomendado. Na realidade, o papel da progressiva deve ser mais de tratamento (pois funciona como uma espécie de cauterização, repondo a queratina perdida com processos químicos) do que propriamente deixar o cabelo liso.

Não dá um bom resultado em cabelos virgens ou grossos, praticamente não fazem nenhuma diferença em relação ao quesito "liso", pois nesses cabelos as escamas são bem seladas. Dá melhor resultado em cabelos com químicas, justamente por estes já terem as escamas mais abertas e fissuras na estrutura capilar, facilitando a fixação da queratina da progressiva.

Existem variações, mas normalmente o processo consiste em lavar os fios com shampoo anti-resíduos até que as escamas estejam bem abertas (no máximo 3 vezes, dependendo de cada cabelo), secar o excesso de água (aproximadamente uns 80%), passar o produto, escovar e pranchar mechas finas entre 5 e 10 vezes cada uma. Precisam de 3 dias sem lavar os cabelos para que a queratina estabilize nos fios, exceto a Inteligente, que é um tipo de progressiva mais concentrada. Embora seja feita da mesma forma, pode ser lavada no mesmo dia. Então resumidamente, as progressivas propriamente ditas, as que surgiram originalmente são as que tem como princípio ativo o formol. Recentemente surgiram as progressivas sem formol, e sobre elas falo mais abaixo.

Coloquem na cabeça a segunda frase mais importante da postagem:

O que realmente importa, é saber qual é o princípio ativo do produto.

Isso porque muitos cabeleireiros e empresas de cosméticos nomeiam os produtos e procedimentos de forma igual, sendo que o princípio ativo é totalmente diferente! Existem "progressivas" que tem alisante na fórmula, e nesse caso, entram em todas as incompatibilidades citadas lá em cima, em alisamento. Vocês iriam me deixar louca perguntando se escova "A" é boa, se escova "B" presta, se escova "C" deixa liso, se escova "D" serve para loiros. Se informem sobre o princípio ativo da fórmula, se for formol e na quantidade permitida pela Anvisa, a ação desses produto será idêntica! E com ampla compatibilidade.

Desconfie se o cabeleireiro prometer seu cabelo lisão com progressiva, porque somente a progressiva verdadeira não deixa o cabelo super liso, então ele pode estar usando outro produto e escondendo isso de você! E isso pode causar muitos problemas, caso você decida por exemplo fazer luzes. Por isso aprendam a perguntar e questionar muito antes de entregarem suas madeixas a qualquer cabeleireiro:

-qual o princípio ativo desse procedimento?
-quais as compatibilidades e incompatibilidades desse produto?
-qual o passo-a-passo da aplicação?
-qual o resultado real que vai proporcionar?
-como deverá ser feito o retoque?

Com todas as informações que coloquei na postagem, vocês já estão aptas para avaliar o que realmente será feito no seu cabelo, se haverá alguma mudança na estrutura interna dos fios ou não. E através das características gerais, fica fácil enquadrá-lo, já que agora você já sabe as peculiaridades de cada um.


Escova Progressiva sem Formol:

Com toda a problemática envolvendo o formol, as empresas cosméticas começaram a desenvolver produtos sem a presença dele. Lembrando que como expliquei mais acima, alguns procedimentos são chamados de "progressiva" mas tem alisantes na fórmula, e nessa categoria não estou me referindo a esses (que na verdade entram na classificação de alisamentos, definitivas ou relaxamentos), e sim as que tem como princípio ativo produtos que tem "vantagens parecidas" com o formol, como o ácido glioxílico que normalmente é combinado com a carbocisteína (dita como princípio ativo, mas a verda é que ela sozinha não tem nenhum poder de alisamento).

No início as promessas eram imensas, mas na realidade acredito que essa tecnologia ainda está em desenvolvimento e ainda não chegaram a um resultado realmente bom para substituir de vez o formol. As escovas progressivas sem formol são teoricamente compatíveis com "tudo", mas os fabricantes recomendam o teste de mecha e depois de feito o procedimento não poderão ser usados outros tipos de escova, ou seja, há inúmeras possibilidades de incompatibilidades. O procedimento de aplicação é semelhante ao da progressiva com formol, mas elas não causam nenhum incômodo e podem inclusive ser aplicadas sem luvas.

Já testei alguns produtos desse tipo, inclusive coloquei aqui e aqui a respeito, só que nem cheguei a concluir os testes das aplicações porque simplesmente não gostei do resultado, me desfiz do produto. Depois descobri que o ácido glioxílico afina os fios com o tempo e causa um grande desbotamento dos cabelos coloridos, então continuo torcendo o nariz para essas escovas, e conheço muitas pessoas que já testaram e também não aprovaram. Minha dica é cautela! Infelizmente ainda não posso recomendar nenhuma progressiva sem formol.


Combos:

São as combinações da progressiva com formol com os procedimentos de alisamento OU relaxamento OU definitiva. A vantagem desses procedimentos é que a progressiva além de potencializar o efeito liso dos procedimentos, já repõe uma parte da queratina perdida durante os processos. Mas não se enganem, uma  vez aplicado qualquer tipo de alisante ou relaxante no cabelo, haverá mudança na estrutura interna dos fios, portanto as incompatibilidades existirão. O resultado mais natural entre os 3 é o relaxamento + progressiva, mas só servem para cabelos caucasianos, obtendo um liso soltinho com menos volume - mas para quem quer um cabelo escorrido, ou para quem tem cabelos muito crespos, essa não é a melhor opção. Quando há combinação com escova progressiva, esta sempre é feita na última etapa, encaixando-se depois do procedimento escolhido quase que completamente executado.



Mais algumas informações importantes:

-todos os procedimentos citados acima desbotam os fios, alguns mais, outros menos.

-todos os procedimentos acima devem OBRIGATORIAMENTE ser aplicados sem contato com o couro cabeludo e com a raiz, no minimo 1 cm de distância.

-para mudar a base de uma química de alisamento para outra (guanidina, amônia ou hidróxido de sódio), deve-se esperar no mínimo 6 meses, deixando o cabelo crescer virgem, e só então aplicar o produto com o novo princípio ativo apenas na parte crescida. Nunca na parte que tem o princípio ativo antigo, ou com menos tempo de intervalo, pois ocasionará corte químico, e o cabelo quebrará.

-Para cabelos com alisamentos/relaxamentos/definitiva não é recomendado colorações com oxigenada acima de 20 volumes, ou descolorações de qualquer tipo. Não é impossível, mas é muito complicado lidar com o acúmulo de químicas tão fortes, que a longo prazo geralmente acabam em cortes químicos, então preferencialmente é melhor não fazê-las.

-Henê é um caso a parte, não cito na postagem realmente porque nunca aprofundei meus estudos sobre isso e nem trabalho com o produto, mas para quem quiser saber, o henê é um alisamento que ao mesmo tempo tinge os fios de preto. O que dá a cor preta é uma planta chamada taya e o princípio ativo que garante o efeito liso é o pirogalol ou ácido pirogálico que, depositado sobre a cutícula, alisa, reduz o volume e dá brilho. Não é compatível com nenhuma outra química de transformação, ou seja, nenhum alisamento e nem tintura e nesses casos, não recomendo nem progressiva.

Agora a terceira e última frase mega importante da postagem:

Não existe milagre, toda química tem seus prós e contras!

Que postagem enorme hein? Espero que tenha sanado as dúvidas a respeito! Caso tenha sobrado alguma, é só perguntar nos comentários! Não trabalho com Guanidina e nem com Hidróxido de Sódio, apenas com produtos com Amônia, então sobre esses dois primeiros ativos de alisamentos, não sou especialista ok?! Ahhhh e sobre as marcas de progressiva que eu uso e trabalho, cito algumas aqui.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comments